BLW (Baby Led Weaning) e BLISS: Você Realmente Sabe Como são esses Métodos de Alimentação?

 

Vejo por aí muitos posts sobre o BLW (Baby Lead Weaning) e BLISS como métodos de introdução e alimentação infantil. Muitos infelizmente passam o conceito errado ou incompleto, por isso o post de hoje é dedicado a esse assunto. Uma característica muito interessante dos dois é que ambos defendem práticas não coercitivas na hora de alimentar a criança, respeitando sinais de saciedade.

O que é o BLW

Basicamente é a introdução alimentar com o desmame do aleitamento guiado pelo bebê.

Como assim guiado pelo bebê?

O bebê se alimenta no ritmo próprio e continua recebendo aporte de leite conforme própria demanda. Gradativamente, conforme a infesta dos alimentos aumenta a láctea diminui sem qualquer decisão intervencionista dos pais.

Como esse Método é Feito?

Conceitualmente a idealizadora, Gill Rapley, defende a oferta de alimentos complementares em pedaços, tiras ou bastões, sem colher e nenhum método de adaptação de consistência para preparar a refeição do lactente. Ou seja: nada de amassar, triturar ou desfiar.

As recomendações do BLW ainda vão além do formato que os alimentos devem ser oferecidos, englobando:

• Continuar com o leite materno ou a fórmula infantil;

• Posicionar o lactente sempre sentado para o processo de alimentação;

• Permitir que o lactente se suje e interaja durante as refeições;

• Oferecer variedade de alimentos, evitando a monotonia; os pais decidem o que oferecer e o bebê escolhe o que vai comer.

• Interagir com o lactente quando ele estiver comendo junto, durante as refeições;

• Dar o tempo necessário para a refeição sem pressionar.

E o BLISS?

A partir o BLW, um grupo de especialistas da Nova Zelândia desenvolveu versão chamada Baby-Led Introduction to Solids (BLISS), que significa em sua tradução a introdução aos sólidos guiada pelo bebê. Nesse método há a organização de alguns preceitos que incluem:

Oferecer alimentos cortados em pedaços grandes, que o lactente consiga pegar sozinho;

Garantir em cada refeição: a oferta de um alimento rico em ferro em cada refeição; um alimento rico em calorias em cada refeição; pelo menos 1 fruta ou vegetal

Oferecer alimentos preparados de uma forma que reduza o risco de engasgo: evitar alimentos redondos ou em formato de moedas; retirar sementes e casca de frutas

Garantir sempre que o lactente esteja sentado, ereto e sob supervisão contínua de um adulto

Experimentar sempre o alimento antes de oferecer ao lactente, para verificar se não forma um bolo dentro da cavidade oral;

Garantir sempre que o lactente esteja sentado, ereto e sob supervisão contínua de um adulto

 

Após a publicação do método, alguns estudos vêm sendo realizados e sugerem que essas técnicas devem ser começadas com crianças com habilidades motoras mínimas (sentar com mínimo apoio e sustentar tronco, pescoço e cabeça), fazer movimento de pega e deglutição. Nunca deixe a criança sem supervisão enquanto está se alimentando, pelo risco de engasgo, que tem estatística aumentada de ocorrer em relação ao método tradicional.

Importante: converse com seu pediatra sobre técnicas de desengasgar seu filho (a)

Nossa opinião: introdução desses métodos requer nossa paciência e atenção durante as refeições. Mais do que nunca a interação entre pais e filhos à mesa é mandatória.

 

Fontes

Academia Americana de Pediatria

Base de dados Pubmed

Manual de Nutrologia Brasileiro

 

0 comentários

Deixe seu comentário

Quer participar da conversa?
Fique à vontade e participe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *